Seja um Ativista Seja um Associado Faça uma Doação Lojinha Adote Sobre a PEA

Página Inicial

Crueldades com Animais
Informações
Fotos e Vídeos
Slides
 

Ajude a PEA

 

Ajude a combater os maus tratos e o abandono de animais. Seu apoio é muito importante.

Faça a Diferença

Clique Aqui

Você também pode ajudar

efetuando sua contribuição nos bancos abaixo

 

Banco Itaú

 Agência: 1574

Conta Corrente: 22004-0

 

Bradesco

  Agência: 0665-3

Conta Corrente: 127.526-7

 

CNPJ: 05.872.606/0001-30

 
Acesse, Copie, Divulgue

 

 

Siga a PEA

 

 

Animais para Consumo


Métodos de Abate

Transporte

Bovinos

Suínos

Aves

Peixes

Patê de Foie-Gras

Vitela

Outros

Ingredientes de Origem Animal

O que Fazer

 

 

Métodos de Abate dos Mamíferos

Pistola Pneumática: Uma "pistola" é apontada para a cabeça do animal e uma vara de metal é disparada para dentro do cérebro.  A pistola é projetada de modo que a haste jamais sai completamente, ela simplesmente vara a cabeça do animal e depois é puxada pelo açougueiro enquanto o animal desmaia.

Este disparo, como o animal se agita muito, nem sempre é certeiro e, freqüentemente, atinge o olho ou resvala na cabeça do animal, gerando ainda mais dor.

 

Atordoamento Elétrico: Os animais são conduzidos molhados a um corredor e dali tangidos com choques elétricos de 240 volts.

 

Choques Na Cabeça: Um atordoador elétrico é utilizado para produzir um ataque e a garganta do animal é cortada, deixando-o sangrar até a morte. 

 

Golpes De Marreta: Utilizando-se de um martelo específico golpeia-se a cabeça do gado quebrando o seu crânio (essa técnica também é usada em vitelas, pois os ossos do crânio de filhotes são mais macios).

Nem sempre o martelo acerta com precisão a região que causa a inconsciência, podendo rasgar os olhos ou o nariz do gado.

 

Abate Ritual: Os animais estão totalmente conscientes quando suas jugulares são cortadas. Alguns matadouros prendem o animal por uma perna e penduram-no de cabeça para baixo antes que suas gargantas sejam cortadas, resultando em danos dolorosos dos tecidos em 50% das vezes e, em algumas vezes, crises de vômito.

 

>voltar<

 

 

Transporte

Vivem nos excrementos uns dos outros e são expostos a condições severas de temperatura em caminhões abertos. 

 

A febre do embarque, que pode ser fatal, é comum em gado transportado a longas distâncias.

 

O transporte em tempo frio resulta em partes do corpo congelarem, causando dores terríveis.

 

Algumas vezes os animais congelam sobre suas próprias fezes ou colados nas laterais ou no chão metálico do caminhão de transporte.

 

Os animais não recebem alimento nem água .

 

Uma pesquisa feita pelo Agri-Practice (Set 95) revelou que 10% dos presuntos pesquisados foram classificados como DFD, o que é "geralmente descrito como uma condição na qual os músculos de suínos normais e saudáveis foram totalmente esgotados de glicogênio devido à exaustão física prolongada antes do abate.

 

O trauma infligido pelas fazendas-fábrica e pelo transporte pode resultar em "baixas" (downers) - animais muito doentes ou fracos para caminhar.

 

>voltar<

 

 

Bovinos

Como são mortos: Mesmo hoje em dia, o processo de abate permanece primitivo e violento. Animais entram no abatedouro um a um. Os criadores mais bem aparelhados, usam um revólver pneumático atordoador, mas, é muito comum a marretada na cabeça, nem sempre certeira. Quando é chegada a hora do abate, os animais, em geral, são forçados a entrar num corredor estreito. Desesperam-se, tentando fugir de todas as formas, viram-se de um lado para o outro, os olhos cheios de terror. Sentem o cheiro do sangue dos companheiros mortos e recusam-se a seguir adiante. Alguns, já sem força, caem; os que permanecem de pé são forçados a prosseguir, tangidos a choques elétricos. Ao final do percurso, um por um, são contidos em pequenos boxes e covardemente massacrados: recebem marretadas, tantas quantas forem necessárias, até que tombem. Os golpes lhes causam mutilações nos chifres, olhos e focinho. São então suspensos – alguns às vezes ainda vivos – por uma das patas traseiras; seus músculos se rompem em virtude do grande peso de seus corpos. Operários com longas facas cortam a garganta de cada animal, na veia jugular e carótida, deixando-o sangrar até a morte, pendurado de cabeça para baixo. No Brasil, este procedimento é comumente empregado no abate de bovinos. Porcos, cabras, ovelhas, aves e outros animais são igualmente abatidos com idêntica brutalidade, mas sem o uso do atordoamento.

 

Manejo: Qualquer que seja o lugar do mundo, o gado é sempre exposto a duras condições, sofrendo manejo bruto e, freqüentemente, crueldades no decorrer de suas curtas vidas. Só nos Estados Unidos, onde cada cidadão come sete bois de aproximadamente 500 kg em toda a sua vida, mais de 100 mil cabeças de gado são abatidas a cada 24 horas. Principalmente no Brasil, o gado é rotineiramente castrado, seus chifres arrancados, e seu corpo é marcado a ferro quente sem anestesia. Estes procedimentos são realizados somente para benefício econômico e conveniência dos produtores de carne. Ao pastar a céu aberto, eles são expostos a condições climáticas extremas, que vão desde calor insuportável até tempestades e secas. Muitos animais sofrem e morrem de calor, frio, sede, fome, doenças e envenenamento por plantas tóxicas. Após diversos meses no campo, o gado é transportado para locais de engorda , o que é feito através do fornecimento de grãos . Nesse local, dezenas de milhares de animais são apinhados em áreas lamacentas, infestadas de moscas e cheias de estrume, onde o estresse os torna suscetíveis à febre e a outras dolorosas doenças debilitantes. Defender-se das moscas pode fazer com que eles percam um ou dois quilos por dia, por isso os produtores os pulverizam regularmente com inseticidas altamente tóxicos.

 

Engorda: O gado não se adapta de imediato a comer grandes quantidades de grãos. A mudança fisiológica abrupta na dieta de grama para grãos causa dolorosos problemas digestivos, principalmente flatulência. Para aumentar o ganho de peso e reduzir os custos alguns produtores adicionam papelão, jornais, serragem e até pó de cimento à ração. Outros preferem adicionar estrume de aves e suínos ou esgoto industrial e óleos.

 

Trasporte: Quando atingirem o peso ideal, os animais são transportados por caminhões até os matadouros. Freqüentemente são manejados com brutalidade: levam choques elétricos de aguilhões, são chutados e arrastados. Podem ser privados de alimento e água e sofrer exposição a condições ambientais difíceis por longos períodos. Caminhões que transportam gado estão sempre superlotados, o que resulta em quedas, pisoteamento e lesões durante o transporte. Os animais que sofrem trauma de pernas, pelve, pescoço ou perna, são arrastados para fora dos caminhões até o piso do matadouro, onde, muitas vezes, agonizando de dor, chegam a esperar horas para ser abatidos. Animais que estão doentes demais para morrer não recebem eutanásia. Em vez disso, podem ser jogados na “pilha de mortos” e deixados para morrer de doença, sede fome ou hipotermia. Nos Estados Unidos, embora seja requisito de Federal Humane Slaughter Act de 1958 e revisto em 1978 (com exceção de abate kosher e de outras recomendações religiosas), o atordoamento nem sempre é feito com sucesso, devido à incompetência, à indiferença ou à deficiência do equipamento.

 

Abate religioso: Existe um tipo de abate de cunho “religioso” que segue o preceito segundo o qual não se deve ingerir alimentos com sangue, como praticado para a produção de alimentos judaicos, a chamada comida kosher talvez seja pior que a habitual, pois é marcado por excepcional requinte de crueldade.

 

Crueldade embutida: Os criadores costumam afirmar, com um orgulho sinistro, que “da vaca se aproveita tudo”, dos cascos ao chifre, sendo por isso um “animal muito útil ao homem”, conforme aprendemos na escola. Até mesmo as patas, que não seriam comestíveis, fornecem material para a geléia de mocotó. Muitas gelatinas artificiais são produzidas com patas de vacas ou bois, além de conter corantes e aromatizantes artificiais. Portanto, vegetarianos não devem consumir gelatinas de origem animal e geléia de mocotó. Se você ainda não foi convencido de que deve fazer a sua parte deixando de comer carne, lembre-se destas informações na próxima vez que se sentar num restaurante de luxo e pedir uma vitela acompanhada de um bom vinho francês. Existe um grande movimento internacional de boicote ao consumo de vitela criado justamente pela compaixão que sentimos em relação a esses filhotes. Não peça mais vitela (ou a carne da mãe dela!) nos restaurantes, nem a compre nos supermercados. Mas quer fazer mais? Não freqüente mais lugares que apresentem esse tipo de prato em seu cardápio e avise-os do porquê de sua decisão. Melhor ainda: divulgue isto entre seus amigos.

 

Propaganda enganosa: A McDonald´s, rede mundial de hamburgers, gasta milhões de dólares em campanhas de propaganda direcionada a crianças e jovens, tentando mostrar que seu produto é bom. Criaram até um palhaço chamado Ronald McDonald´s. Nos anúncios, ele mostra que os hamburgers nascem como frutas e crescem em pacotes. Esse personagem era interpretado por Jeff Juliano que, ao inteirar-se da forma como o gado vive e é assassinado, abandonou o emprego milionário e tornou-se vegetariano.

 

Fonte: Instituto Nina Rosa

 

 

Bovinos e Eqüinos a Caminho do Prato

 

1º Estágio

O animal chega à "central de empacotamento", e é colocado em uma área de espera.

 

2º Estágio

O animal é enfileirado em um curral e um funcionário começa a conduzi-lo, com o auxílio de uma vara de eletro choque, através de uma porta de aço.

 

3º Estágio

É feito o pré-abate através de pistola pneumática ou atordoamento elétrico ou  golpes de marreta.

 

4º Estágio

O animal é pendurado em uma corrente pela pata traseira de cabeça para baixo (há a ruptura dos tendões da coxa, e o animal tem a carne rasgada pelo próprio peso).

 

5º Estágio

É feita uma abertura para esfola do couro (muitos animais recobram a consciência e gritam de dor nesse momento).

 

6º Estágio

É feita a degola e tanques aparam o jorro de sangue durante alguns segundos.

 

7º Estágio

O animal é baixado e começa o processo de esfola total e parte dos cortes de tetas, patas e línguas. É COMUM OS ANIMAIS CHEGAREM VIVOS NESTE ESTÁGIO. HÁ RELATOS EM QUE O ANIMAL AINDA ESTAVA PISCANDO OS OLHOS ENQUANTO ESTAVA SENDO RETALHADO.

 

8º Estágio

O animal é arrastado em uma esteira onde há o corte em uma serra elétrica em duas metades, na posição da coluna vertebral.

 

9º Estágio

A carcaça é levada para uma câmara de resfriamento (a carne ainda contém calor do sangue).

 

10º Estágio

A carcaça é levada para a seção de corte em pedaços como os vistos em mercados e açougues.

 

>voltar<

 

 

Suínos

Quem é o porco?

Porcos são animais dóceis, amigos e podem viver em contato conosco de modo semelhante aos cães domésticos. São sensíveis e capazes de amar seus donos se conviverem com seres realmente humanos. Porcos são também inteligentes. Testes científicos demonstraram que estão aptos a realizar tarefas semelhantes àquelas desempenhadas por cães e, em alguns casos, podem ser adestrados para executar tarefas tão excepcionais que nenhum outro tipo de animal conseguiria desempenhar. Mas devido ao hábito humano, de consumir esse tipo de carne, o porco é submetido a muitos tipos de agressões e desrespeitos.

 

O modo como comem (fuçando a comida) deu origem à idéia de que eles não seriam “higiênicos”. Daí o substantivo “porco” ter dado margem à criação do adjetivo do mesmo nome. "Porco” ficou sendo o epíteto não somente de alguém que não tem higiene, mas de diversos outros tipos como os obesos, os policiais, as pessoas sujas, etc.. Hoje considera-se “porcaria” diversos tipos de hábitos ou atos, que os porcos são incapazes de cometer – muito menos intencionalmente -, como emitir gases, arrotar à mesa, retirar secreções do nariz, falar com a boca cheia, não gostar de tomar banho, urinar fora do vaso sanitário, etc.. Convencionou-se usar o adjetivo “porco”, numa referência ao animal, mas na verdade os seres humanos (e somente eles) são capazes de realizar mais “porcarias” - inclusive conscientemente – do que qualquer porco.

 

Considerando-se que os porcos domésticos acabam em lixões ou comendo lavagem em coxos (não por culpa deles), e que humanos comem de fato verdadeiras “porcarias”, como, entre outras, intestinos de boi, rins, cérebro de macaco, bunda de formiga, olho de passarinho e de atum, baratas, morcegos (na China), ovas de peixe, pênis de cachorro, mortadela (feita com restos de vários tipos de animais), chouriço (feito com sangue de porco), testículos de vários animais, miolo (cérebro de boi), bofe (pulmão bovino), carnes putrefatas (carne-de-sol), carne crua (quibe árabe), picanha sangrenta e buchada nordestina, cabe a pergunta: quem é o porco?

 

Também em relação ao comportamento e à ética, podemos verificar que realmente há humanos que são porcos (adjetivos) e que há porcos que, pela sua sensibilidade e benevolência, são bem mais “humanos” (adjetivo) que muitos humanos (substantivo).  Ele é simplesmente um animal também criado por Deus. A verdade é que ele tem tudo para ser amigo do homem, como ele realmente é. Há diversos casos descritos de porcos que viveram como cães em seu relacionamento com seres humanos.

 

Manejo em pequena escala: Aqueles que criam porcos em pequena escala e domesticamente costumam castrar os animais (para que possam engordar bastante), forçando-os a uma vida sedentária, reclusa e totalmente incômoda, alimentando-os com todo o tipo de resto de comida, preparando-os para ser abatidos.

 

Como são mortos: São mortos através de uma fina, longa e cortante faca que lhes é cravada com perícia, diretamente no coração. Sem se incomodarem se o animal sente dor e em que grau, esses criadores, insensíveis, praticam esse ato friamente, em geral rindo, como se estivessem fazendo algo trivial, como puxar uma descarga, por exemplo. Há aqueles que tem como profissão matar porcos dessa maneira, e assim, todos os dias, realizam seu trabalho. Conheci um deles, uma pessoa no mínimo asquerosa, que me confessou que a sensação que sentia ao introduzir a faca no peito de um porco de 100 quilos era a mesma de matar um homem gordo...

 

Manejo em grande escala: Nos matadouros, onde os animais são produzidos industrialmente, não é muito diferente. Assim que nascem, os porquinhos machos são castrados sem anestesia, de modo cruento. Depois que mamarem alguns dias, são afastados da mãe e nunca mais a vêem.

 

Prenhez: As porcas grávidas, nos dias finais da gravidez, são mantidas num tipo de jaula tão pequena que não podem se mover, sendo forçadas a se manter na mesma posição, de pé, sem se voltar para qualquer lado e sem poder deitar-se. E assim têm os seus filhotes, como máquinas de produzir porquinhos. Qualquer mulher que já teve um filho sabe do incômodo característico dos dias finais que precedem o final da gravidez, que exigem a busca de posições mais confortáveis a cada instante. Durante o próprio parto é necessário mudar de posição várias vezes. Imaginem então que tremendo desconforto deve ser sentir as dores, as contrações uterinas, sem poder mexer-se ou deitar-se... as porcas grávidas, geralmente muitas ao mesmo tempo, costumam urrar de dor, o que torna o ambiente em que vivem um local onde se capta uma tristeza e uma agonia indescritíveis. Os animais apresentam sempre um olhar apavorado, talvez pela tremenda dor a que são submetidos.

 

Confinamento: Os demais porcos, castrados e programados para a engorda, vivem igualmente agrupados ou isolados em áreas muito exíguas e costumam agredir-se uns aos outros. Não raro, matam-se ou mutilam-se. Para evitar isso, muitos criadores utilizam drogas calmantes na ração.

 

Cascos: Porcos são animais de cascos definidos, adequados para que possam andar na terra, na lama, na relva ou em terrenos macios. No cativeiro, desde quando nascem, são forçados a viver em chão de cimento ou grade, completamente antinaturais. Com o tempo e o aumento de peso, os cascos sofrem maior tensão, o que provoca abertura do ângulo e fissura central, muitas vezes com ferimentos hemorrágicos, seguidos de infecção. Antibióticos são fornecidos em grande quantidade, não para aliviar o sofrimento dos animais (que costumam urrar de dor, sem conseguir andar), mas para evitar as mortes que provocariam prejuízos. As feridas nos cascos são cauterizadas com instrumento de metal em brasa.

 

Drogas: Os porcos também recebem cargas consideráveis de outras drogas, além de vacinas e hormônios. Usados regularmente, os remédios contra parasitas, a maior parte cancerígena (DDT e similares), contaminam a gordura destes animais e se alojam no tecido adiposo. Isso faz do toucinho de origem industrial algo perigoso para a saúde. Tal qual a lingüiça “pura” de porco.

 

Fonte: Instituto Nina Rosa

 

 

Suínos a Caminho do Prato

 

1º Estágio

Ao chegar do transporte, os porcos são conduzidos através de currais.

 

2º Estágio

Os animais são desacordados através de eletro choque dolorosos que, na maioria das vezes, causam somente a paralisia e os mesmos permanecem conscientes.

 

3º Estágio

São então pendurados em correntes por uma das patas traseiras.

 

4º Estágio

São degolados com uma faca afiada, onde se aguarda então o sangue escorrer para os tanques.

 

5º Estágio

São imersos em água fervente (muitos animais são mergulhados conscientes na fervura).

 

6º Estágio

Passam pelo processo de esfola onde a pele é toda retirada.

 

7º Estágio

Chegam a mesa de corte onde são retirado suas vísceras e a carne cortada. Os animais são prensados o máximo possível para minimizar os custos.

 

>voltar<

 

 

Aves

Aves

Até parece que nunca tiveram um rosto. Os produtos animais expostos nas prateleiras e freezers dos supermercados são apresentados higienicamente limpos e empacotados num ambiente plácido, tranqüilo. Mas esse lugar calmo e perfumado, geralmente com música suave ao fundo (que contribui mais ainda para oferecer um clima sereno), esconde uma outra realidade.

 

Manejo: Por detrás da farsa da propaganda se encontra a dura realidade dos milhões de frangos criados em cativeiro, impedidos de ciscar alegremente, tristes, sem direito à liberdade, ao sol, vivendo em “celas” superlotadas até atingir o peso ideal (obtido através de hormônios e de outros medicamentos), quando são cruelmente abatidos. Depois de mortos são depenados, eviscerados, limpos e cortados – não se sabe em que condições de higiene – para serem enfim empacotados nas embalagens, congelados e enviados para o comércio. Durante sua vida miserável, passam por verdadeira tortura. A superpopulação estressa profundamente as aves. No setor das “unidades” poedeiras, as galinhas são expostas à luz artificial constante, de modo a pensarem que o dia é contínuo, o que mantém o seu metabolismo ativo na produção de ovos.

 

Debicação: Devido à sobrecarga a que são forçadas, acabam vivendo pouco. Sob forte tensão, tendem a se bicar e a se dilacerar. Mas a genialidade dos criadores resolveu o problema: a “debicação”, técnica de cortar a ponta do bico dos frangos ao nascerem. Essa prática acontece regularmente, independente da dor que possa produzir no animal. E como produz! A ponta do bico das aves, assim como a parte interna das unhas dos homens, é de grande sensibilidade. Calcula-se que a debicação produza uma dor semelhante àquela que sentimos ao cortar a ponta de um dedo (ou do nosso nariz!). Tanto é assim que, após terem parte dos seus bicos cortados, os pobres animais se debatem de dor e correm apavorados de um lado para o outro, emitindo sons de agonia. Geralmente têm sangramento profuso e correm o risco de morrer. Os criadores – não por humanismo, é claro, mas para evitar prejuízos com a morte por hemorragia – mais uma vez lançam mão da sua habitual inteligência: logo em seguida a debicação, cauterizam o bico do pintinho com um aparelho que apresenta um fundo incandescente... Ao conferirmos o modo com vivem esses animais e a tortura a que são submetidos, percebemos que não somente as grandes granjas, mas também as pocilgas e os locais de criação de gado, nada devem aos campos de concentração. Muitos frangos e galinhas poedeiras morrem subitamente nessas “fazendas”, certamente de tristeza. Outras são transportadas em caminhões superlotados, sendo expostas ao sol, ao frio, ao vento, a chuva e a um jejum prolongado.

 

A ave é um vegetal?: Curioso é perceber que quando afirmamos ser vegetarianos, seja num restaurante ou entre pessoas que acabamos de conhecer, é comum ouvir-se a pergunta: “Mas você come frango, não é?” Certa vez, num restaurante, afirmei ser vegetariano e pedi uma salada. O gerente para agradar, mandou servir-me, sem que eu pedisse, um “peitinho de frango” grelhado, como uma oferta da casa... Diante disso, podemos inferir que certas pessoas pensam que frango e aves em geral são vegetais. Se pudéssemos ver como eles nascem, vivem e morrem nos criadouros, talvez entendêssemos por que são comparados a “vegetais” ou a objetos. Isso vale para qualquer outra ave criada para consumo: pato, marreco, ganso, faisão, chester, peru, avestruz, codorna, perdiz, etc. Desde que criados industrialmente para o consumo humano, todas as aves têm o mesmo destino que os frangos, algumas até envolvendo situações piores, como é o caso dos gansos, de quem se produz o requintado foie gras.

 

Propaganda enganosa: No caso dos frangos e seus derivados, deparamo-nos com partes desses animais muito bem cortadas, limpas e arrumadas em embalagens brilhantes, de aspecto sedutor; os ovos, também muito limpos e alvos, dentro de caixas especiais, coloridas, empilhadas com esmero. Não raro, o setor de frango do agradável supermercado mostra a imagem de uma galinha sorrindo, muito feliz devido à preferência do freguês pela sua carne ou pela granja que a comercializa. Nas campanhas promocionais, essas empresas freqüentemente distribuem folhetinhos pelo supermercado, com historinhas de galinhas e pintinhos amarelinhos, rechonchudos e bonitinhos, que vivem em campos e chácaras, eles querem nos fazer crer que esses animais habitam verdadeiros paraísos ou quintais alegres e multifloridos e são criados com amor e dedicação. Nada mais distante da realidade. Obviamente, não seria conveniente que o supermercado, mostrasse imagens e filmes das cenas de debicação, da cauterização, dos galpões superlotados, repletos de animais com olhares atônitos (sem entender que crime cometeram para estar ali), do transporte desumano, do abate cruento, etc.. Se as pessoas soubessem dessa realidade, muitas delas provavelmente deixariam de comprar as aves. Certa vez, num supermercado, John Robbins, líder do movimento americano Earth Save e autor de Diet For a New America (Dieta para Uma Nova América) observou uma placa onde estava escrito “frango fresco”. Ao verificar que, na verdade, o produto da venda eram galinhas mortas, chamou o gerente e sugeriu-lhe que, para evitar a propaganda enganosa, mudassem os dizeres da placa para “frango fresco morto”.

 

Fonte: Instituto Nina Rosa

 

 

Aves a Caminho do Prato

 

1º Estágio

São despejadas como lixo dos caminhões que as trazem.

 

2º Estágio

Colocadas em um sistema de ganchos e transportadoras que fazem parte do sistema de abate automático.

 

3º Estágio

Sofrem uma descarga elétrica que deveria causar a inconsciência para o abate, mas essa corrente é reduzida causando somente dor (níveis maiores de corrente endurecem a carne). As aves vão para o próximo estágio com plena consciência.

 

4º Estágio

Processo de degola automática: as aves penduradas passam por uma máquina que vai degolando o pescoço.

 

5º Estágio

São imersas em um banho escaldante. MUITAS VEZES, AS AVES CHEGAM VIVAS NESTE ESTÁGIO.

 

6º Estágio

Vão para a área onde serão depenadas e estrinchadas.

 

>voltar<

 

 

Peixes

Peixes também sentem dor: Em um documentário realizado no EUA, estudiosos declararam que os peixes têm em suas bocas quase a mesma quantidade de terminações nervosas que os humanos têm em seus genitais. Assim, puxar um peixe para fora d'água com um anzol seria como tirar uma pessoa da água segurando suas partes íntimas.

 

Sensibilidade: Muitos peixes, especialmente os que vivem no fundo do mar, usam a boca não só para se alimentar, mas também como uma espécie de sensor geral. Eles possuem uma alta densidade de nervos. Esta informação nos faz refletir sobre os programas de pesca na TV, em que os desportistas ou apresentadores capturam peixes com anzol. Aparentemente bons ecologistas ou bons samaritanos, depois de fisgá-los, eles os devolvem à água. Só que não podem imaginar a dor e o estresse que provocam no animal, que, segundo os especialistas, é suficiente para que a grande maioria não consiga sobreviver.

 

Dor: A dor na boca impede que eles se alimentem, o que facilita a inanição e a morte: o sangramento freqüentemente atrai predadores, como piranhas e jacarés. Quando esses programas estrearam, imitando os similares norte-americanos, entendeu-se ser uma boa ação devolver à água os peixes capturados. O ideal seria proibir esses torturantes programas. A sensação de um peixe for a d'água se compara à de um homem sendo asfixiado, sentindo suas forças se esvaírem lentamente. A retirada da água causa uma dor terrível e provoca sangramento das guelras. A dor gerada pelo imenso arpão de um mergulhador quando atravessa o corpo de um peixe deve ser a mesma que sentiríamos se fôssemos trespassados por uma lança.

 

Peixes em tanques: Peixes criados em tanques, como tilápias, carpas e trutas, também são submetidos a forte estresse devidos aos espaços exíguos em que são mantidos. Em alguns restaurantes é possível ver aquários onde peixes e lagostas são expostos para ser escolhidos pelos fregueses. Esses aquários estão longe de fornecer o mesmo espaço que esses animais encontrariam na natureza. Muitas vezes, em virtude da urgência em se preparar os pratos, são descamados, têm o couro arrancado, ou são eviscerados ainda vivos! Há certas especialidades culinárias japonesas, um tipo de sushi, em que o peixe é servido ainda vivo. Segundo os experts, é necessário que ele ainda se mova ao ser servido, caso contrário o prato deve ser devolvido!

 

Fonte: Instituto Nina Rosa

 

>voltar<

 

 

Patê de Foie-Gras

Para se obter o "Foie-Gras", cuja tradução literal é 'Fígado-Gordo', é necessário sujeitar gansos ou patos a alimentação forçada.


Durante o período de alimentação forçada, entre duas a quatro semanas, patos e gansos vivem em condições exíguas, impossibilitados de exprimirem qualquer espécie de comportamento natural.

 

Presos em pequenos compartimentos, não podem mexer-se, abrir as asas, ter contato com a água ou procurar comida. Nestas condições, são obrigados a engolir, de 3 a 5 vezes por dia, uma mistura de milho, gordura de porco e sal, inadequada do ponto de vista nutricional e em quantidade muito superior àquela que ingeririam voluntariamente.

 

A deficiência nutricional e a quantidade introduzida pelo esôfago garantem uma degeneração das células do fígado (esteatose). A alimentação forçada se dá através de funil com uma ponta de cerca de 30cm, a que estão acoplados mecanismos elétricos ou pneumáticos, que introduzem ½ kg em apenas 3 segundos. Cada ave é forçada a ingerir até 3,5 kg de ração por dia. Em alguns casos, é colocado um anel elástico apertado no pescoço da ave para que ela não regurgite a mistura.

 

O fígado passa a ter uma anormal acumulação de gordura, que provoca o seu aumento entre 6 a 12 vezes o tamanho natural.

 

 

O tamanho anormal do fígado provoca dificuldades respiratórias e de locomoção. O funil, introduzido à força, provoca a inflamação permanente do esôfago, em alguns casos, a sua perfuração, ou ainda asfixia causada por introdução acidental de comida na traquéia.

 

Depois de 4 semanas de alimentação forçada, os patos e gansos são abatidos. Em um estudo realizado em uma "fazenda", quase 10% de todas as aves morriam com o estômago rompido, com alimento entrando no pulmão ou por doenças e infecções causadas pelos tubos de alimentação sujos.
 
A Comissão Cientifica de Saúde e Bem-Estar Animal da U.E. conclui no seu relatório de 1998 que a alimentação forçada, tal como é praticada, é prejudicial ao bem-estar animal. A Comissão afirma ainda que as técnicas que provocam um sofrimento evitável devem ser banidas.

 

Apenas os patos (machos) são usados para fazer o patê, pois eles produzem fígados maiores e são considerados mais capazes de resistir às 4 semanas de tortura. As fêmeas normalmente são entulhadas em sacos de nylon, que são amarrados e jogados em latões com água escaldante. As sobreviventes têm suas cabeças esmagadas contra as bordas do latão.

 

Se tentarmos imaginar essa dor e sofrimento, então chegaremos perto de compreender a agonia pela qual passam aproximadamente 10 milhões de gansos e patos a cada ano, antes de serem mortos para satisfazer os paladares "refinados" dos seres humanos que consomem 16.800 toneladas de seus fígados em todo o mundo (em 1998). A França é a maior produtora com quase 80%; depois vem a Hungria, Espanha, Israel e outros países como EUA, Bélgica, Bulgária e Romênia produzindo o restante.
 
Fonte: Animal; Vegetarianismo

 

>voltar<

 

 

Vitela ou Baby Beef

Milhares de bezerros são mortos, criados em gaiolas minúsculas para que não desenvolvam nem enrijeçam músculos, a fim de serem abatidos e vendidos como VITELA ou BABY BEEF, que é considerada uma carne nobre por sua maciez.

 

Vitela ou Baby Beef – o que você não vê: Sendo uma carne alva, tenra e considerada deliciosa, a vitela é apreciada em todo o mundo. Conseqüentemente, é uma das comidas mais caras que se conhece, o que estimula a ambição dos criadores, em sua ânsia por lucros. Assim que nascem, as pequenas vacas são retiradas da presença da mãe e isoladas em compartimentos individuais onde recebem um banho frio e passam a se alimentar com leite fornecido não em tetas, mas em recipientes ou canaletas. O ato de sugar, importante para esses pequenos seres, não lhes é permitido, o que produz um alto índice de ansiedade. Costumam então sugar qualquer coisa que lhes é dada, como dedos, pontas de roupas, etc.

 

Confinamento: Sua carne deve ser branca e macia. Para isso é necessário que os músculos dos animais não se tornem avermelhados, como os tecidos de vacas adultas. A técnica de produção da vitela mostra que é preciso evitar a atividade muscular para impedir a oxigenação dos músculos. Para isso, os animais devem ser mantidos em pequenas celas que impeçam seus movimentos. Depois de um tempo, os animais são forçados a permanecer em pequenos currais individuais onde somente conseguem ficar de pé com o pescoço virado para a direita ou para a esquerda. Em dias alternados, funcionários mudam a cabeça do animal cada dia para um lado. Raramente têm a cabeça voltada para frente com o pescoço esticado, pois isso permitiria a movimentação dos músculos do pescoço. Esse processo é mais comum algumas semanas depois do nascimento.

 

Alimentação: Ainda para evitar o tingimento dos músculos, os bebês são forçados a uma dieta completamente isenta de ferro, o que lhes provoca uma fraqueza profunda. A ausência do mineral em seus corpos produz uma grande ansiedade por tudo aquilo que possa conter ferro, mas até a água que lhes é fornecida é desmineralizada, Por isso os animais lambem pregos e material metálico das celas e até mesmo sua própria urina.

 

O sofrimento do bezerro: Visitar uma área de criação de vitela é como estar em um campo de concentração infantil. Os novilhos olham para os visitantes e se aproximam como quem pede ajuda. Tentam sugar dedos ou pedaços de roupas, enchem os olhos de lágrimas e emitem sons guturais estranhos. Esse sofrimento não dura mais que três meses, quando já estão prontos para o abate. São então levados para um local onde são cruelmente mortos , em geral com um corte profundo na jugular, para perder todo o sangue lentamente.

 

Paladar refinado?: Todo ano, só nos EUA cerca de um milhão de bezerros são mortos para servir aos refinados apreciadores de uma boa carne.(!?!) O hábito de comer vitela começou provavelmente quando vacas grávidas morriam e serviam de refeição. Percebeu-se que o feto tinha uma carne de textura muito tenra. Depois vieram os métodos para manter a carne do bezerra macia por mais tempo. Por isso hoje se consegue essa façanha com animais de até três meses de idade. Muitos deles morrem antes de completar três meses de nascidos, alguns por infecções (uma vez que seu sistema imunológico é frágil devido à anemia), outros por doença de causa desconhecida. Apresentam diarréias constantes e ficam cada vez mais tristes, até se entregar à morte libertadora. Sua carne, mesmo nesses casos, é direcionada para os restaurantes.

 

Vacas e seus bezerros: Vacas são mães atenciosas e sensíveis. Basta ver como lambem carinhosamente as suas crias e como essas necessitam da companhia de suas mães. Não se permite nem ao menos que as vacas vejam a sua cria, pois do contrário não conseguiriam permanecer tranqüilas. Elas costumam agitar-se e gritar desesperadamente quando são afastadas do filhote. E assim começa uma das maiores crueldades que o ser humano pode cometer contra os animais: a indústria da vitela.

 

Vitela x produção de leite: É possível entender perfeitamente a origem dessa doença “de causa desconhecida”. Se um bebê humano, imediatamente afastado de sua mãe ao nascer, for amamentado artificialmente, estando preso a um berço que limite os seus movimentos, sem receber carinho de forma alguma, sentindo fraqueza constante, certamente viverá bem menos que uma vaquinha. A produção de leite também implica crueldade com os animais. Milhares de bezerros são mortos, depois de serem criados em gaiolas minúsculas para que não desenvolvam nem enrijeçam músculos e sejam abatidos e vendidos como se fossem vitelas. Ao tomar o seu “leite”, a pessoa torna-se cúmplice dessa produção e do abate indiscriminado de bezerros.

 

Produção de leite: Atualmente uma vaca produz dez vezes mais leite do que sua natureza permitiria. São tratadas como máquinas: não tomam sol, não amamentam seus filhotes, recebem doses de hormônios, sentem dores (basta ver o tamanho das tetas de uma vaca leiteira) e algumas contraem infecções. Quando estão exaustas são abatidas. Muitos animais doentes, que mal podem se levantar, são arrastados para os matadouros assim mesmo, para não haver desperdício. Não podemos nos esquecer dos bezerros que são vendidos para rodeios, onde sofrem fraturas de coluna, patas, hemorragias, e são quase sempre abatidos de forma cruel. Nos Estados Unidos, defensores da alimentação vegetariana e dos direitos dos animais afirmam que, se um produtor de carne tratasse seu cão da maneira como rotineiramente trata seu gado, seria multado, processado e provavelmente preso – e teria seu cão apreendido.

 

Fonte: Instituto Nina Rosa

 

>voltar<

 

 

Outros Animais

 

Rãs

Rãs passam pelo mesmo problema, pois são criadas em pequenos espaços, abatidas com uma forte pancada na cabeça e, geralmente, têm o couro arrancado ainda vivas.Comer rã é basicamente antiecológico. Esses batráquios são muito importantes para a cadeia alimentar e o equilíbrio dos ecossistemas, já que se alimentam de insetos. Há quem diga que se rãs e sapos desaparecessem, os insetos dominariam a Terra.

 

Baleias

No Japão, mais de 500 baleias são mortas todos os anos , o que contraria a comissão Baleeira Internacional, o país alega fins científicos”, porem sabe-se que são vendidas como especiarias alimentares. O Professor Frank Cipriano, da Universidade de São Francisco, EUA, é pioneiro na identificação de carne por técnicas de análise de DNA. Suas mais recentes pesquisas indicaram presença de carne de baleia em alimentos para cães no Japão.

 

Tubarões

Também no Japão e nos estranhos mercados alimentícios do Oriente, há o hábito de consumir a sopa de barbatana de tubarão, um dos pratos mais caros do mundo. Pescados vivos são cruelmente despojados de suas barbatanas e em seguida devolvidos ao mar. Via de regra são consumidos pelos companheiros, atraídos pelo sangue dos cortes.

 
Caranguejos e lagostas

Atrocidades contra os animais existem em todas as partes do mundo. O Brasil não fica longe: aqueles que apreciam caranguejos sabem que costumam ser fervidos vivos! Caranguejo que não se move não é consumido. Em Recife, Pernambuco, grelham a lagosta viva, recém-retirada de um tanque, de onde foi “escolhida” pelo freguês. Depois de ser colocada diretamente na brasa com um peso por cima ela passa instantaneamente da cor verde/azul para vermelha...

 

Jumentos

Para ilustrar ainda mais a crueldade, podemos citar outro costume praticado no Nordeste brasileiro, onde a carne dos dóceis jumentos é apreciada para a produção de uma modalidade de carne-de-sol. Só que para tornar a carne mais macia cortam-se as patas do animal da articulação do joelho para baixo. Eles ficam urrando de dor, correndo desesperadamente sobre seus cotocos de pernas, esvaindo-se em sangue durante horas, até perder definitivamente os sentidos. Dizem os criadores que isso é necessário, caso contrário a carne permanece dura demais para ser consumida.

 

Cães e Gatos

No Vietnã, cães são escolhidos por donas casa e crianças, e são abatidos na hora. Eles são escolhidos e retirados de uma gaiola com um pau com gancho na ponta, espetando o animal pelo pescoço. Em seguida são jogados em água fervendo e suas peles são arrancadas com eles vivos. Cães são vendidos em mercados e restaurantes. Acreditam que sua carne é afrodisíaca. Estima-se que são abatidos 500 cães e gatos por dia. Na China, o “melhor amigo do homem” é uma iguaria. Lá, como aqui, os cães são criados normalmente entre os homens e, quando o dono decide comê-lo, basta assobiar. O dócil amigo se aproxima, recebe uma forte pancada na cabeça e vai direto para a panela.Existem restaurantes que servem cães São Bernardo, especialmente o “Fondue de cachorro”, o que está gerando fortes protestos internacionais. Os criadores de São Bernardo vêm crescendo a cada ano, pois é quatro vezes mais lucrativo do que criar porcos, vacas e galinhas. No Brasil, gatos são normalmente transformados em churrasco e vendidos nas ruas em espetos.

 

Macacos

Há requintes ainda mais abomináveis, como o hábito de se consumir o cérebro de certos primatas no Japão. Em um tipo de cerimônia macabra, o grupo de comensais se reúne para uma refeição numa mesa em que orifícios ocupam o lugar do prato. Ali são encaixadas as cabeças de macaquinhos vivos, cujos pêlos são raspados. Com a ajuda de um martelinho as pessoas batem no crânio do animal até que ele desfaleça. Então o garçom retira os ossos superiores da cabeça dos macacos, expondo-lhes o cérebro, que recebe temperos e molho de soja. São imediatamente saboreados por meio de palitinhos típicos da culinária oriental.

 

Formigas

Na França se consomem formigas de abdome doce, um tipo de inseto que, por possuir grande concentração de carboidratos em seu abdome, é usado para o preparo de um dos mais sóbrios e caros tipos de guloseima. Essas formigas são mergulhadas numa calda quente de chocolate derretido de modo que o processo envolva apenas o seu abdome, deixando de fora o resto de seu corpo. O “produto” é colocado em caixas especiais. As formigas permanecem vivas por alguns dias, o suficiente para ser vendidas. Consome-se apenas a parte do chocolate. O “resto” da “iguaria”, que é a formiga ainda se movendo, é dispensada.

 

Fonte: Instituto Nina Rosa

 

>voltar<

 

 

O que Fazer

Você gostaria de diminuir o sofrimento de animais em matadouros?

 

Um estilo de vida mais saudável e humano pode começar na sua próxima refeição. Evitando produtos animais, você ajuda a si mesmo, a Terra e os animais.

 

Adote uma dieta mais saudável (Veja algumas receitas aqui);

 

Não coma carnes (peixes, aves, ovinos, eqüinos, bovinos, cães, gatos, baleias, tartarugas etc.);

 

Coma mais verduras, grãos, legumes e frutas;

 

Existem deliciosos hot-dogs e hambúrguer vegetarianos, lasanhas de tofu e outras delícias;

 

Conscientize as pessoas a adotarem uma dieta sem produtos de origem animal (ovos, leite e carnes principalmente);

 

Informe-se sobre dietas sem carnes. Pesquise, considere os fatos e despreze as opiniões;

 

Procure por livros, revistas, jornais e outras publicações sobre o assunto;

 

Mantenha-se informado sobre grupos de pessoas que pensam como você, associações de proteção aos animais;

 

Peça em sua escola, empresa ou restaurante favorito, uma opção vegetariana;

 

Conscientize-se de que o governo sustenta a indústria da carne permitindo a criação de animais em terras públicas e oferecendo  serviços administrativos, subsídios e redução de impostos;

 

Faça com que os legisladores saibam o que você pensa de tudo isso;

 

Escreva para fábrica de produtos naturais e tente manter-se a par de novos produtos para vegetarianos lançados no mercado.

 

Saiba que uma pessoa que não come carne poupa a vida de 95 animais por ano;

 

Imprima panfletos educacionais e distribua o máximo que puder.

 

>voltar<