Seja um Ativista Seja um Associado Faça uma Doação Lojinha Adote Sobre a PEA

 

Página Inicial

Animais
Eventos
Meio Ambiente
PEA

 

Ajude a PEA

 

Ajude a combater os maus tratos e o abandono de animais. Seu apoio é muito importante.

Faça a Diferença

Clique Aqui

Você também pode ajudar

efetuando sua contribuição nos bancos abaixo

 

Banco Itaú

 Agência: 1574

Conta Corrente: 22004-0

 

Bradesco

  Agência: 0665-3

Conta Corrente: 127.526-7

 

CNPJ: 05.872.606/0001-30

 
Acesse, Copie, Divulgue

 

 

Siga a PEA

 

 

Notícias - ANIMAIS


 

Aplicativo ajuda a denunciar tráfico de animais

O Extintômetro foi desenvolvido pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária em parceria com 27 conselhos regionais


O Extintômetro traz uma amostra representativa das 627 espécies brasileiras extintas ou ameaçadas de extinção. Foto: Estadão Conteúdo

A rede social Facebook está disponibilizando aos seus usuários uma ferramenta para ajudar na identificação de animais em extinção ou ameaçados e que permite denunciar práticas ilegais.

O aplicativo, que leva o nome de Extintômetro, foi desenvolvido pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) em parceria com 27 conselhos regionais. O objetivo é envolver a sociedade no combate ao tráfico de animais selvagens, uma das maiores causas de extinção de espécies. 

O Extintômetro traz uma amostra representativa das 627 espécies brasileiras extintas ou ameaçadas de extinção, disponibiliza informações sobre como denunciar o tráfico de animais em cada Estado e permite que as fotos dos animais sejam usadas como avatar nos perfis pessoais do Facebook.

Em São Paulo,  a Polícia Ambiental testa um novo método para coibir o tráfico de aves silvestres. Um exame de DNA é feito para assegurar que os animais não tenham sido capturados ilegalmente. Os policiais verificam a documentação e checam as anilhas de cada ave.

A única maneira de saber se realmente a ave havia nascido em cativeiro era por meio da anilha colocada nos primeiros dias de vida do pássaro. O anel tem um número que fica registrado nos órgãos ambientais. O problema é que alguns criadores conseguem falsificá-lo. O exame torna mais difícil burlar a lei.

 

Fonte: D24AM

Data: 24/10/2014 11:06:39

Compartilhe a notícia:

>voltar<