Seja um Ativista Seja um Associado Faça uma Doação Lojinha Adote Sobre a PEA

 

Página Inicial

Animais
Eventos
Meio Ambiente
PEA

 

Ajude a PEA

 

Ajude a combater os maus tratos e o abandono de animais. Seu apoio é muito importante.

Faça a Diferença

Clique Aqui

Você também pode ajudar

efetuando sua contribuição nos bancos abaixo

 

Banco Itaú

 Agência: 1574

Conta Corrente: 22004-0

 

Bradesco

  Agência: 0665-3

Conta Corrente: 127.526-7

 

CNPJ: 05.872.606/0001-30

 
Acesse, Copie, Divulgue

 

 

Siga a PEA

 

 

Notícias - ANIMAIS


 

Biólogo é acusado de matar animal para forjar denúncia na TV

Em uma reportagem de 2014 do programa Fantástico da Rede Globo, imagens feitas pelo biólogo e apresentador Richard Rasmussen que foram ao ar no programa e o mostram matando um boto, estão sendo denunciadas por um documentário que alega manipulação das imagens.

O programa que exibiu a reportagem em julho de 2014 com cenas chocantes de pescadores matando um boto-cor-de-rosa que seria usado como isca para a pesca da piracatinga, afirmava que os animais estavam sendo mortos frequentemente, porém, o documentário “A River Below”, mostrou o contrário. O animal que foi morto tinha filhotes na barriga.

O diretor do filme, Mark Grieco, viu as imagens e decidiu trazer o inicial projeto de documentário para o Brasil. No entanto, ao chegar na Amazônia, foi informado de que Rasmussen teria pago R$ 100 para cada pescador que aparece nas imagens pegar um boto e mata-lo, produzindo as imagens exibidas no programa, segundo o site Notícias da TV.

Rasmussen apesar de não ser identificado como autor das imagens e ter negado o pagamento aos pescadores da região, admitiu ter participado da gravação ao site.

Procurada pela mesma reportagem, a emissora Globo afirmou que “a TV Globo não foi procurada pelos autores do documentário e não teve acesso a ele. Como em toda a reportagem que coloca no ar, a Globo sabia quem era o responsável pelas imagens e tomou providências para checar a veracidade das informações. O material foi cedido pela Ampa e, na gravação bruta, com o áudio ambiente, não havia nada que sugerisse qualquer irregularidade ou método ilícito na captação de imagens. Toda a estrutura em volta da captação e o comportamento dos pescadores mostravam que essa, para eles, era uma prática frequente, que desempenhavam com desenvoltura.”

Fonte: UOL

Data: 8/5/2017 16:54:13

Compartilhe a notícia:

>voltar<